Uma nova série árabe da SAT-7 promoverá os direitos das mulheres e das minorias entre milhões de espectadores no Oriente Médio. Ao permitir que eles se identifiquem com aqueles que são diferentes, a série Backstage (Bastidores) incentivará a tolerância que é muito necessária, pois novos abusos de direitos humanos relacionados ao coronavírus atingem as pessoas mais marginalizadas da região.

“Este programa apresenta as questões de liberdade religiosa, aceitação do ‘outro’, direitos das minorias e igualdade entre homens e mulheres – tudo dentro de uma história que atrairá espectadores”, diz George Makeen, diretor de programação de canais árabes da SAT-7. O novo drama leva os espectadores literalmente aos “bastidores”, imergindo-os no mundo da política de escritórios e drama pessoal habitado por funcionários de uma empresa de produção no Egito. Porém, à medida que os espectadores apreciam as histórias envolventes, Backstage também os incentivará a olhar abaixo da superfície dos personagens que eles conhecem e a fazer o mesmo pelas pessoas em suas próprias sociedades.

Enquanto o escritório da empresa está no centro da série, Makeen explica: “O local de trabalho e os conflitos são uma metáfora para as divisões e questões que podem surgir entre os membros da sociedade em geral”. As histórias destinadas a ajudar os telespectadores a superar essas divisões incluem a jornada de Ilia, uma jovem refugiada cristã sudanesa. Embora Ilia enfrente discriminação em sua vida cotidiana, ele se apóia em sua fé e floresce quando o diretor da empresa se torna seu defensor inflexível, recusando-se a negociar com qualquer pessoa que mostre atitudes racistas.

Enquanto isso, uma funcionária sênior subverte as expectativas ao expor um membro da família que assediou sexualmente um funcionário, agindo de uma maneira que muitas mulheres no Oriente Médio não fariam, para evitar envergonhar suas famílias. Outras histórias apresentam amizades construídas através das linhas de classe e examinam questões de direitos sobre deficiência, dependência e infertilidade, que são tópicos tabus em muitas comunidades. Papéis prejudiciais de homens ou mulheres tradicionais são examinados, assim como a opressão das mulheres por suas próprias parentes mais velhas.

Ao criar uma conexão emocional com esses personagens e eventos, Backstage, produzido pela Arascope e financiado pela Norwegian Mission Society, ajudará os telespectadores a examinarem suas próprias atitudes de maneira não conflituosa. Essa construção de empatia é vital para a construção de comunidades mais fortes no Oriente Médio e Norte da África (MENA), uma região com a maior desigualdade entre homens e mulheres do mundo e que abrange muitos países com baixos registros de direitos humanos para minorias étnicas e religiosas, incluindo cristãos.

A série está se aproximando da produção, já que a pandemia da COVID-19 recentemente pressionou mais os mais vulneráveis, com relatos isolados emergindo de ataques a minorias que foram injustamente acusadas de espalhar o vírus. Com as famílias confinadas, os relatos de violência doméstica aumentaram e, com a crise econômica resultante, os trabalhadores domésticos etíopes no Líbano foram deixados presos fora da Embaixada da Etiópia – abandonados, às vezes sem nada, por seus empregadores. E os refugiados, desproporcionalmente afetados pelas perdas de empregos e isolados da assistência médica, também enfrentam condições terríveis.

A situação levou a ONU a exigir maior proteção para as minorias na região.

“A COVID-19 não é apenas um problema de saúde; também pode ser um vírus que agrava a xenofobia, o ódio e a exclusão”, afirmou Fernand de Varennes, enviado da ONU a questões minoritárias. “Os direitos humanos de todos, em particular dos mais vulneráveis ​​e marginalizados, devem ser protegidos.”

Backstage está programada para transmissão no canal SAT-7 ARABIC em outubro de 2020.