“Se eu tivesse continuado a viver do jeito que era, não estaria vivo hoje.” O pastor Khalil Halaseh foi vítima de bullying no passado e passou a intimidar os outros depois disso, até que conheceu Jesus. No primeiro Dia Internacional da ONU contra a Violência e o Bullying na Escola, o canal SAT-7 ARABIC compartilha sua história de transformação para ajudar os telespectadores a encontrar a cura e também oferece apoio aos pais.

“O bullying estava em toda parte quando eu estava crescendo”, diz o pastor Khalil Halaseh no programa You Are Not Alone (Você Não Está Sozinho). “Eu morava em um bairro violento e frequentava escola pública. Fui intimidado na aula e nas ruas.” Para se proteger e sobreviver, ele conta, ele começou a intimidar outras crianças. “Minha adolescência foi difícil e fui violento com os outros.”

Mas quando o pastor Khalil tinha 16 anos, sua vida e perspectiva foram transformadas. “Lembro-me muito bem do dia em que conheci Jesus, porque foi uma data decisiva em minha vida”, diz ele. “Minha vida mudou totalmente. Aprendi a ter fé no Senhor e a pedir ajuda aos outros”.

O pastor Khalil conta que encontrou a liberdade quando foi capaz de perdoar aqueles que o atormentavam. Isso o permitiu quebrar o ciclo de violência que estava destruindo sua vida e colocá-lo no caminho para se tornar um líder de igreja que mostra o amor de Deus aos outros. Ele agora lidera a Igreja do Nazareno em Al Ashrafia, Jordânia.

O pastor explica que, embora o perdão seja mais fácil de pregar do que de praticar, em sua opinião é essencial para a cura. “Para perdoar os outros, devemos primeiro pedir perdão a Deus”, diz ele. “Lembre-se de que o próprio Jesus foi intimidado pelos líderes de sua comunidade. Peça a cura de Deus.”

Olhando para trás, o pastor Khalil diz que sente que, se não tivesse conhecido Jesus, seu sofrimento o teria levado ao desespero. “Se eu tivesse continuado a viver do jeito que era, não estaria vivo hoje.”

Conforme o testemunho comovente do pastor Khalil chegava às telas dos telespectadores, o programa para pais, The Coach (O Treinador), trabalhou para aumentar a compreensão dos pais e melhor capacitá-los a apoiar seus filhos.

“Ser intimidado na escola pode ter implicações acadêmicas para os alunos”, diz o apresentador, Dr. Ihab Maged. “Eles podem evitar a escola ou não conseguir se concentrar nas aulas.”

Estudos mostram que uma em cada cinco crianças sofre bullying na escola e apenas uma em cada três conta aos pais. No Oriente Médio e Norte da África, vários fatores econômicos e sociais já ameaçam a capacidade de muitas crianças de frequentar a escola, especialmente aquelas empobrecidas ou deslocadas, o que significa que é vital que o bullying não seja adicionado ao fardo.

Em um episódio anterior de You Are Not Alone (Você Não Está Sozinho), Nour Mouselle, uma refugiada síria no Líbano, explica o impacto do bullying em seus filhos. “Na escola, meus filhos são abusados ​​verbalmente e atacados por serem sírios”, diz ela. “Eles têm medo de ir. Fiz uma reclamação na escola, mas não aconteceu nada.”

De volta ao The Coach (O Treinador), o Dr. Maged explica que alguns agressores são eles próprios vítimas de bullying em casa, de seus pais ou irmãos. Um elemento que torna especialmente importante abordar o problema em um programa de pais. “Um agressor não se sente seguro emocionalmente e psicologicamente, então ele escolhe uma pessoa mais fraca para exercer o poder”, diz ele.

O bullying, acrescenta, pode deixar cicatrizes emocionais para toda a vida e, em casos extremos, levar ao suicídio. Ele enfatiza a importância do envolvimento dos pais na vida dos filhos, para protegê-los dos piores resultados do bullying.

O testemunho do pastor Khalil ecoa o ponto do Dr. Maged. “Um ser humano precisa de amor”, diz ele. “Para ser amado, aceito e respeitado sem condições. O respeito pode trazer consolo e cura.”

Os Estados membros da UNESCO declararam na primeira quinta-feira de novembro de cada ano o Dia Internacional contra a Violência e o Bullying na Escola, incluindo o Cyberbullying, reconhecendo que a violência escolar em todas as suas formas é uma violação dos direitos das crianças e adolescentes à educação e à saúde e bem estar.